/* PIXELS */ /* PIXELS */

FUNDAÇÃO MARIA LUISA E OSCAR AMERICANO + EXPOSIÇÃO DE TARSILLA DO AMARAL

25 de Maio (Sábado) das 09h00 às 18h30

VISITA A "FUNDAÇÃO MARIA LUISA E OSCAR AMERICANO" COM DELICIOSO "BRUNCH"

+

EXPOSIÇÃO DE "TARSILLA DO AMARAL" 



1) PERÍODO DA MANHÃ: 11H00 ÀS 14H00

Visita à Fundação e Brunch para Almoço no Salão de Chá

A Fundação Maria Luisa e Oscar Americano foi instituída por Oscar Americano, em março de 1974, dois anos após o falecimento de Maria Luisa Ferraz Americano, doando à cidade de São Paulo, além da casa em que viveram com os filhos durante 20 anos, a coleção de obras de arte e extenso parque. 
Preservando a natureza, reunindo peças e documentos ligados à história do Brasil, a Fundação oferece aos visitantes um panorama do passado e do presente do País. Ampliado e enriquecido continuamente, o espaço da permite uma visão das diversas etapas de nossa história.
 Em meio a plantas e árvores de vários tipos, do pau-brasil ao pé de café, encontra-se a casa projetada pelo arquiteto Oswaldo Arthur Bratke em 1950.
Nela, é possível visitar um acervo constituído por pinturas desde o século XVII, mobiliário, prataria, porcelana, tapeçaria e arte sacra do século XVIII.
O que confere unidade à extensa abrangência  temporal do acervo (cerca de quatro séculos), bem como à sua amplitude temática, é o sentimento de brasilidade que nele está presente e que permanece vivo entre os responsáveis por sua continuidade. A coleção inicial teve como base os objetos de arte pertencentes á família Americano, tais como pinturas, esculturas, porcelanas pratas e móveis. Ao longo do tempo, foram sendo adquiridas novas peças, de natureza e épocas distintas, que vieram a formar o acervo atual, composto dos seguintes núcleos principais: Brasil Colônia (mobiliário, prataria, exemplares de arte sacra brasileira e pinturas do artista Holandês Frans Post), Brasil Império (esculturas, pinturas, gravuras, louças, móveis, pratas, comendas e adereços que retratam usos e costumes do período) e Mestres do Século XX (obras de Victor Brecheret, Lasar Segall, Alberto da Veiga Guignard, Di Cavalcante e Cândido Portinari).”

 

PERÍODO DA TARDE: 15H00 ÀS 17H00
Visita à Exposição de Tarsilla do Amaral

Tarsila do Amaral (Capivari / SP - 1886 - 1973) é uma das maiores artistas brasileiras do século 20 e figura central do modernismo. Esta é a mais ampla exposição já dedicada à artista, reunindo 92 obras a partir de novas perspectivas, leituras e contextualizações. 

De família abastada, de fazendeiros do interior de São Paulo, Tarsila desenvolveu seu trabalho com base em em vivências e estudos em Paris a partir de 1923. Por meio das aulas com André Lhote (1885-1962) e Fernand Léger (1881-1955), aprendeu a devorar os estilos modernos da pintura europeia, como o cubismo, para digeri-los e, de maneira antropofágica, produzir algo singular. É importante chamar atenção para a noção de antropofagia, criada por Oswald de Andrade (1890-1954): um programa poético através do qual intelectuais brasileiros canibalizariam referências culturais europeias com o objetivo de digeri-las e criar algo único e híbrido, além de incluir elementos locais, indígenas e afro-atlânticos.

De volta ao Brasil, declarou: “Sou profundamente brasileira e vou estudar o gosto e a arte dos nossos caipiras. Espero, no interior, aprender com os que ainda não foram corrompidos pelas academias”. 
O enfoque da exposição é o “popular”, noção tão complexa quanto contestada, e que Tarsila explorou de diferentes modos em seus trabalhos ao longo de toda a sua carreira. O popular está associado aos debates sobre uma arte ou identidade nacional e a invenção ou construção de uma brasilidade. Em Tarsila, o popular se manifesta através das paisagens do interior ou do subúrbio, da fazenda ou da favela, povoadas por indígenas ou negros, personagens de lendas e mitos, repletas de animais e plantas, reais ou fantásticos. Mas a paleta de Tarsila (que serve de inspiração para as cores da expografia) também é popular: “azul puríssimo, rosa violáceo, amarelo vivo, verde cantante”.   

Esta exposição faz parte de uma série que o MASP organiza reconsiderando a noção de “popular”: desde A mão do povo brasileiro 1969/2016 e Portinari popular, em 2016, até Agostinho Batista de Freitas, em 2017, e Maria Auxiliadora, em 2018. Tarsila Popular é organizada no contexto de um ano inteiro dedicado a artistas mulheres no MASP em 2019 sob o título de Histórias das mulheres, histórias feministas. A exposição dialoga com duas outras dedicadas a artistas que exploraram a noção do popular de diferentes maneiras: Djanira: a memória de seu povo, até 19 de maio, e Lina Bo Bardi: Habitat, até 28 de julho.

 

 

Data: 25 de Maio (Sábado) das 09h00 às 18h30

 

Fundação Oscar Americano + Masp - SP

***Horário de Saída de Campinas: 09h00
Local de Saída da Excursão: Estacionamento Arena ((Rua General Osório, 1741, Cambuí, Campinas)


 


PREÇOS DA EXCURSÃO:
 

- Brunch Fundação + Exp. Tarsilla Amaral (Inteira):
- Brunch Fundação + Exp. Tarsilla Amaral (Meia):

 

- R$ 305,00 a vista / R$ 320,00 em 2 X nos cheques ou 1 Cartão
- R$ 285,00 a vista / R$ 299,00 em 2 X nos cheques ou 1 Cartão

 

OBS.: Os ingressos “meia” correspondem ao desconto de terceira idade, aposentados, estudantes e professores da rede pública e/ou estadual


 


Incluso na excursão: 
- Ingressos 
- Transporte em ônibus de luxo 
- Serviço de bordo 
- Guias acompanhando a Excursão
 


Detalhes sobre o pagamento: 
* Os preços da tabela incluem o valor total da excursão
- Aceitamos cheques, depósito bancário, pagamento por boleto bancário ou Cartão de Crédito Master/Visa
- Pagamento em 02 vezes iguais sem juros nos cheques, boletos ou desconto a vista
- Pagamento em 01 vez no cartão de crédito


Comprar / Reservar